Exposição | Dismorfia · Jonathan Uliel Saldanha

09.04.2019 20:30 — 07.06.2019 18:00
Escola das Artes

Ao clicar aqui, o conteúdo irá ser traduzido pelo Microsoft Translator.
By clicking here, the content will be translated by Microsoft Translator.

09.04.2019 20:30 07.06.2019 18:00 Exposição | Dismorfia · Jonathan Uliel Saldanha Link: http://www.porto.ucp.pt/pt/central-eventos/exposicao-dismorfia-jonathan-uliel-saldanha

Como Chegar / How to Arrive
Universidade Católica Portuguesa - Porto
 
9 ABR a 7 JUN · Sala de Exposições EA
DISMORFIA
Um projeto de Jonathan Uliel Saldanha
 
Horários de abertura
terça a sexta | 14 - 19h
Sala de Exposições da Escola das Artes
 
No seguimento do concerto-performance SCOTOMA CINTILANTE, Jonathan Saldanha construiu DISMORFIA, um trabalho que traduz os três meses da residência artística na Escola das Artes da Católica no Porto.

SCOTOMA CINTALENTE partia de uma mundivisão onde a relação tátil com a matéria inanimada é a fonte primordial da construção do som. Inscrevendo-se entre matéria e anima, pré-linguagem e superfície, o concerto-performance opera a interceção de quatro eixos distintos: o aparelho vocal humano; a mediação de uma linguagem háptica (relativa ao tacto); a refração como mecanismo tático de mutação e “re-materialização” do tempo; e a camuflagem da palavra pela voz. Entre a dismorfia, a refração vocal e uma Via Sacra.
 
A exposição prolonga a investigação em torno da visualidade do tacto e da compreensão do olho humano enquanto lugar de todas as imagens e de todos os reflexos. Não se trata de uma apologia da visualidade como único lugar de passagem entre o interior e o exterior, mas de uma crítica à sua predominância cultural e orgânica. 

Esta exposição documenta igualmente o trabalho que o artista veio a desenvolver com vários professores da Escola das Artes, nomeadamente Pedro Monteiro (Música),  Ricardo Megre (Animação), Carlos Lobo (Fotografia), André Perrota (Multimédia).


 
 
Vistas da exposição
 
JONATHAN ULIEL SALDANHA
Jonathan Uliel Saldanha é um construtor sónico e cénico que trabalha na intereceção do som, do gesto, do palco e do filme. É fundador do coletivo SOOPA, co-fundador da editora SILORUMOR, uma das partes do duo FUJAKO e diretor dos HHY & The Macumbas. Em novembro estreou a peça SØMA na Culturgest Lisboa, e em 2017 as instalações de vídeo e som AFASIA TÁTICA, na Culturgest Porto, e ANOXIA, na Bienal Ano Zero em Coimbra. Co-criador das peças de palco BOCA MURALHA, SHARK, REI TRILOGY e encenador das peças JUNGLE MACHINE, KHORUS ANIMA, O POÇO e OXIDATION MACHINE apresentadas em espaços como o Museu de Serralves, o Accès(s) Festival, o Teatro Municipal Rivoli e o Palais de Tokyo, Paris.